Você já tem noção de que é rentável usar a embalagem como estratégia de marketing da sua empresa. Mas a questão é como fazer isso.

Afinal, se por um lado você pode ter uma sacada genial e faturar muito com isso, por outro, você pode acabar desperdiçando tempo e dinheiro em ações vazias.

Por isso, trouxemos para você algumas orientações para usar a embalagem como estratégia de marketing de um jeito que combine com o seu negócio e com o seu produto.

No texto de hoje, você vai ler sobre a importância dessa tática, vai conhecer os tipos de marketing que podem lhe ajudar e vai ver exemplos práticos para aplicá-los nas suas embalagens. 

Vamos lá?

Embalagem como estratégia de marketing: por que investir?

Não é a toa que a comunicação e a atração estão entre as principais funções de uma embalagem.

Atualmente, as vendas visam conquistar o cliente não só pelo conteúdo do produto mas também a experiência que envolve a mercadoria.

Abrir um produto é uma das partes mais empolgantes para quem compra, é o momento que antecede o contato com o objeto. Cada parte deste contato importa. 

E o melhor: quando você investe numa boa embalagem, automaticamente aproxima os clientes que consideram isso importante também.

Você já escolheu um produto por causa da embalagem? Muita gente já.

De acordo com um estudo sobre a importância das embalagens, 79% dos entrevistados experimentaram um novo produto porque a embalagem chamou sua atenção na prateleira da loja.

Ainda, 53% compraram novamente um produto em função da embalagem.

Ou seja, a embalagem é um fator decisivo no momento de compra (isso vale tanto online quanto nos PDV’s) por isso, não pode ser ignorada como estratégia de marketing.

Mas você deve estar se perguntando: como tornar isso uma ação concreta? Como usar, de fato, a embalagem como estratégia de marketing?

A seguir, você vai ver algumas ações de marketing para aplicar nas suas embalagens.

10 tipos de marketing para potencializar suas embalagens

Sabemos que parece óbvio mas é sempre bom lembrar: todo marketing é baseado em estratégia. Sua definição: 

Marketing é a arte de explorar, criar e entregar valor para satisfazer as necessidades do mercado por meio de produtos ou serviços que possam interessar aos consumidores. A finalidade do marketing é criar valor e chamar a atenção do cliente, gerando relacionamentos lucrativos para ambas as partes.”

Assim como as embalagens, o marketing está em tudo no nosso cotidiano. Então nada melhor do que juntar as duas coisas, não é mesmo? 

Veja abaixo como usar a embalagem como estratégia de marketing de maneira inteligente.

1. MARKETING PROMOCIONAL

Um estilo bem conhecido, o marketing promocional é aquele que visa estimular as vendas do produto por meio de uma promoção mais explícita

Aqui, a embalagem como estratégia de marketing pode vir acompanhada de um brinde, assim o cliente entende que estará levando mais produtos pelo preço de um.

Ou senão, com amostras grátis, você aproveita para apresentar um produto que poderá ser comprado futuramente pelo consumidor.

A Dr. Oetker uniu duas estratégias em uma só, com um brinde super útil ao seu produto (entenda mais no próximo tópico)

2. MARKETING DE UTILIDADE

O próprio nome já sugere. E se tem uma coisa que é a base das embalagens, essa coisa é a utilidade. Ou seja, nesse caso as chances são altas de sucesso ao usar a embalagem como estratégia de marketing.

Neste caso, você tem que pensar como a sua embalagem pode ter uma outra função para o consumidor, algo que não o faça jogá-la fora assim que usar o produto.

Por exemplo, em uma de suas linhas de sandálias, a marca de sapatos Melissa usou uma embalagem que também poderia ser usada como bolsa.

3. MARKETING DE GUERRILHA

Esse tipo de marketing tem esse nome porque é baseado em campanhas inesperadas, pouco convencionais e que buscam um resultado memorável na mente das pessoas. O conceito surgiu nas mídias tradicionais, em 1948.

Sabe aquela ação que “cutuca” um ponto específico relacionado ao produto? Pode ser para rebater críticas, apelar a concorrência ou estimular um desejo.

É preciso muita criatividade e energia para usar a embalagem como estratégia de marketing de guerrilha. É possível ter ideias incríveis, mas com um baixo orçamento.

Para celebrar o Dia Mundial da Paz, o Burger King teve a iniciativa de juntar seu sanduíche mais famoso com o do maior rival, o McDonalds (os lanches Whooper e Big Mac), para dar origem ao McWhopper. 

O McDonalds recusou a proposta, mas vamos combinar que a ideia é bem legal.

4. MARKETING DE CAUSA

Existe alguma causa social, ideia, comportamento ou atitude que a sua marca defende? 

Você pode comunicar isso por meio da embalagem, como já falamos aqui. O objetivo é, portanto, apoiar uma causa social deixando claro que você também está promovendo o seu produto.

São ações pontuais, que visam chamar atenção para um assunto relevante para a sociedade. Isso desperta um ótimo senso de identificação por parte do seu nicho.

A Doritos lançou a edição “Doritos Rainbow”, para celebrar a diversidade queer.

5. MARKETING SAZONAL

Você também pode aproveitar determinada época do ano para incentivar as vendas do seu produto, visto que há diversas datas comemorativas que costumam aquecer o mercado.

É um dos jeitos mais comuns de usar a embalagem como estratégia de marketing.

Temos um artigo completo sobre o assunto, vale a pena conferir.

A intenção aqui é retomar uma lembrança agradável para chamar atenção e despertar interesse, fazendo uma conexão emocional com o passado.

6. MARKETING DE NOSTALGIA

Vale remeter à infância, à adolescência, assuntos que eram “febre” em determinada época, enfim… conhecendo seu público, você o fará sorrir com essa estratégia de memória afetiva.

A Itubaína apostou em rótulos retrô e o público adorou. Tudo a ver com a marca!

7. MARKETING DE INFLUÊNCIA

Marketing de Influência é o conjunto de ações e estratégias que se utilizam de um interlocutor com poder de convencimento ou liderança, buscando realizar influência na decisão de compra a favor da sua marca.”

Eles estão por toda parte: os influencers digitais. YouTubers, Instagramers, TikTokers…

E sabe o que se destaca na apresentação do seu produto nesse momento? Isso mesmo, a sua embalagem.

Este publipost (post patrocinado) mistura influência + experiência sensorial, olha só:

https://www.instagram.com/p/CHvl04yD2qw/?igshid=77l88utx0ot1

8. MARKETING SENSORIAL

Você já pensou em aguçar os sentidos do consumidor para tornar a experiência de compra ainda mais agradável?

Além de uma boa identidade visual, você pode explorar outras características, como cheiros e texturas.

Foi o que fez essa marca de sucos, ao reproduzir cascas de frutas nas embalagens. Demais!

9. MARKETING VERDE

Foco na sustentabilidade: já falamos aqui no blog como as embalagens tem tudo a ver com isso.

Nesse tipo de estratégia (também chamada de Eco Marketing  ou Marketing Ambiental), você deve se posicionar com relação às atitudes que a sua empresa toma para cuidar do meio ambiente.

A Natura é um exemplo nacional de como unir vendas, praticidade e sustentabilidade.

10. REAL TIME MARKETING

O principal foco desse modelo é o engajamento com o público e a geração de conversas. Serve para mostrar aos seus consumidores que a marca está presente no seu dia a dia ou que está por dentro do assunto do momento, sabe?

Por se tratar do imediatismo (real time), é uma estratégia que combina muito com as redes sociais. Na sua embalagem, vale incentivar o uso de uma hashtag ou criar uma interação por meio de um QR Code, por exemplo.

Ideias não faltam para você agora, não é mesmo?

Escolha o tipo (ou os tipos) de marketing que mais combinam com a sua empresa e com o seu produto, pesquise e estude muito para aplicar a ideia de forma inteligente.

O que vale é soltar a criatividade, planejar bem e colher os bons resultados.

Ah, se precisar de ajuda, não deixe de chamar quem mais entende de embalagens de qualidade: a Artvac.

E aí, gostou de conhecer e aprender como usar a embalagem como estratégia de marketing? 

A história da embalagem é tão rica e antiga quanto a história do próprio comércio.

Aliás, sem as primeiras inovações que cumpriam as duas funções mais básicas da embalagem – a de conter e proteger – as transações mercadológicas não teriam acontecido.

Hoje, todo produto precisa de algum tipo de embalagem.

Olhe à sua volta. Quantas embalagens têm no seu campo de visão?

Elas estão em tudo, não é mesmo? 

Neste texto, você vai conhecer de perto a história da embalagem.

Vamos para este passeio histórico?

História da embalagem: os primeiros indícios

Será que você imagina o quão antiga é a origem da embalagem?

Estima-se que as primeiras surgiram há mais de 10.000 anos, ainda na pré-história.

Eram simples pacotes, feitos de folhas de árvores para proteger carnes cruas de caças.

Materiais mais resistentes, como cascos de frutos, bolsas de peles, chifres, crânios de animais e recipientes de argila, foram usados por tribos migratórias para armazenar e transportar alimentos e água.

Outros utensílios importantes foram feitos de fibras vegetais – cestos, balaios, etc – matéria-prima que muitos anos depois deu origem ao papel.

Acontece então a primeira mudança na história da embalagem: passar da contenção para o transporte de alimentos

A embalagem na antiguidade

Chegando na Idade Antiga, a embalagem que revolucionou a época foi a de vidro, com a descoberta de que era possível inflar o material e moldá-lo como um vasilhame.

Os materiais antigos continuaram sendo usados, com certos aprimoramentos, que foi o caso do couro, por exemplo.

Na Idade Média, novos tipos de embalagem começaram a ser explorados, mas ainda de forma rústica: as de papel, de madeira, de metal e até mesmo de porcelana.

A história da embalagem segue sem grandes transformações, como você verá a seguir.

A Idade Contemporânea: maiores inovações na história da embalagem

Na idade Moderna, a produção material predominantemente agrária dá lugar para uma produção material mercantil e industrial. 

As grandes navegações, a chamada primeira Revolução Industrial e também a Revolução Francesa (1789) aconteceram nesta época.

Embora houvesse o surgimento de um mercado consumidor, não aconteceram grandes mudanças nas embalagens existentes até então.

Mas o início da Idade Contemporânea marca uma fase revolucionária na história da embalagem.

Em 1815, Napoleão Bonaparte ofereceu um prêmio a quem apresentasse uma ideia eficiente de como manter alimentos frescos durante longas viagens.

Assim, surgiram as primeiras embalagens em lata, e as indústrias de alimentos processados.

Se até então a evolução na história da embalagem se deu de forma lenta, a partir do crescimento da Revolução Industrial (1840).

Aconteceram as duas Grandes Guerras mundiais (que terminaram em 1918 e 1945, respectivamente) e o fluxo de transformações nas embalagens se deu de maneira acelerada.

Plástico, alumínio, produtos embalados individualmente, embalagens descartáveis e novas tecnologias para conservação foram desenvolvidas e posteriormente, adaptadas para o cotidiano.

Com o surgimento de super e hipermercados, a embalagem ganhou a responsabilidade de vender o produto sozinha.

Ainda, com o consumismo e o poder de compra em ascendência, os designs de embalagem ficaram cada vez mais atrativos.

O que faz você escolher uma embalagem hoje?

Atualmente, a embalagem é grande aliada do conceito de marca. É um item estratégico e funcional, que tem muita importância tanto para quem vende, quanto para quem compra.

Existem prêmios sobre as melhores embalagens do mercado, instituições oficiais (no Brasil, temos a ABRE, Instituição Brasileira de Embalagens) e muitas empresas excelentes no ramo.

Existem embalagens que são desejo de consumo, outras, uma ferramenta sustentável, e ainda, as que existem para unir praticidade e eficiência, que é o caso das embalagens flexíveis.

A história das embalagens tem muito a nos ensinar. Pode-se dizer que não foram elas que evoluíram de acordo com o mercado, mas que elas além de acompanhar tendências, ditam novos comportamentos dos consumidores.

Uma evolução que não para de acontecer, a cada dia que passa.

Você já parou para pensar que as primeiras embalagens, aquelas feitas de folhas de árvore, hoje são uma alternativa para envolver diversos alimentos? 

Comidas orgânicas ou de consumo rápido são embaladas com folha de bananeira, podendo substituir o papel e o alumínio.  

É uma evolução que não para de acontecer, literalmente, a cada dia que passa. E você, o que mais gosta na história das embalagens?

Se este artigo foi útil para você, siga-nos nas redes sociais para acompanhar mais conteúdos sobre o universo das embalagens.

As principais funções da embalagem são a contenção, proteção, utilidade e comunicação. Mas estas são apenas funções básicas, pois o universo das embalagens tem o poder de enriquecer as marcas em diversos sentidos.

Hoje, vamos falar destas funções básicas e de funções mais “especiais” da embalagem.

Vem com a gente.

Por que é importante respeitar as funções da embalagem?

Hoje em dia, tudo se refere à experiência do consumidor (ainda bem!).

Então se ele não está satisfeito, se sentir que tem “algo faltando” na embalagem do produto que está comprando, você terá prejuízo e desconforto.

Mas se ele realmente se agrada com a sua embalagem, pode ter certeza que irá guardar a imagem da sua marca com carinho e respeito.

Então é aqui que entra uma das grandes funções da embalagem, de fazer a diferença nesta experiência do usuário.

Caso você esteja se perguntando:

“Será que é possível ter um impacto positivo na vida do consumidor, mesmo com uma embalagem simples?”

A resposta é SIM.

Seu negócio pode ser pequeno, você pode estar começando agora ou até mesmo ter um único produto.

Ou você pode estar bem posicionado no mercado e quer mudar suas embalagens.

O que importa é que é indispensável que você cumpra o máximo de funções da embalagem que conseguir.

Iremos explicar para você de forma mais detalhada as funções da embalagem, para esclarecer definitivamente o seu impacto tanto para empresas quanto para as pessoas.

Vamos para a lista?

Funções da embalagem: muito além de um objeto comum

Além das funções da embalagem citadas no início do texto, também existem as funções econômicas, conceituais e ambientais.

Vamos explicar uma a uma. Confira:

  1. Conter um produto: a função de contenção é aquela que “abriga” o produto envasado, impedindo que ele caia, vase ou se desfaça.
  2. Proteger e conservar: aqui, tecnologias são empregadas para preservar as características principais do produto, como cheiro, textura, sabor, etc, contra agentes externos.
  3. Otimizar a logística: uma das melhores funções da embalagem é facilitar a armazenagem e transporte do produto, sendo um ponto estratégico para a logística da empresa.

funções da embalagem - congelados

Embalagem resistente, econômica e atrativa: check!

  1. Economizar custos: a embalagem quando é inteligente economiza custos tanto no transporte quanto em relação à matéria prima.
  2. Atrair consumidores: Um dos poderes mais interessantes da embalagem é chamar a atenção de pessoas por meio de seu design e identidade visual. Afinal, quem nunca julgou um livro pela capa? 
  3. Explicar o modo de uso do produto: quando alguém tem um produto em mãos, quer saber como ele funciona. Por isso, uma das funções da embalagem é ser didática e possuir todas as informações obrigatórias e as que são úteis para o cliente.
  4. Adiantar os benefícios do produto: A cara como ponto de comunicação, a sua embalagem deve fazer uma promessa. E claro, cumpri-la na hora que o consumidor for usar o produto.

funções da embalagem - sabão

Embalagem que educa e adere à uma causa em tempos de coronavírus

  1. Comunicar valores e ações de uma marca: é enorme o número de pessoas que compram de acordo com as causas e valores com que se identificam. Faça da embalagem do seu produto um meio de conexão emocional com seu cliente.
  2. Facilitar o consumo do conteúdo: se tem uma coisa que todo mundo busca hoje em dia é praticidade. Explore bem esta função e saia na frente.
  3. Destacar seu produto da concorrência: entre as funções da embalagem está o poder de mostrar o potencial de inovação de uma marca. Pense nisso!

funções da embalagem - macarrão

Adivinha só por qual embalagem o cliente vai se interessar?

  1. Ser um objeto de desejo: você já comprou um produto apenas porque se interessou pela embalagem? Quis tirar fotos e até mesmo guardar? Acredite, você não está sozinho nessa.
  2. Colaborar com o meio ambiente:falamos aqui como sustentabilidade e embalagens podem andar muito bem lado a lado. Marcas que pensam no meio ambiente têm tido cada vez mais sucesso.
  3.  Fidelizar clientes: adivinhe: se um consumidor gosta da sua embalagem, irá comprar muitas vezes seguidas. E o melhor, irá compartilhar com os amigos.

E então, você já está pronto para tornar a experiência do usuário mais memorável com estas 13 funções da embalagem?

Conte com a Artvac para isto, fale agora mesmo com um de nossos consultores.